quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

U A U.

http://www.previnasedamarca.com/









... Pra quem quiser um gostinho dom link acima... basta dizer que eu comecei a olhar diagonalmente o endereço acima e me bati com esta manchete:







O Príncipe Charles É Proclamado "Salvador do Mundo" e uma Estátua Será Erigida Para Ele em Palmas, no Tocantins!


http://www.previnasedamarca.com/arquivo.php?recebe=materia/judaismo/24/24.html








(........... puxa vida.)


Bookmark and Share

sábado, 26 de dezembro de 2009

Avatar

Fui ver hoje.

Não senti tonturas ou dor de cabeça. O óculos é meio chato.

Honestamente, gostei da experiência, acho que o 3d foi bem utilizado, algumas imagens são fantásticas, teve uma hora em que precisei deviar de alguma coisa...

A história não é espetacular, mas o conjunto da obra é capaz de prender a atenção pelas quase três horas de filme.

No final das contas (final meio óbvio, não vou me furtar a comentar), o soldado é muito mais legal como Na´vi do que como humando. Me lembrou da Fera de "A Bela e a Fera" da Disney, onde a opção da Fera em voltar a ser humano é meio chata - o cara é muito mais legal como Fera. O Jake Na´vi é muito mais interessante...os felinos-bípedes-azuis certamente foram feitos para serem bichos "amáveis" - no sentido de loveables, ou passíveis de serem amados.

Queria ter uma máquina e um avatar desses, mas pra morar na cidade mesmo. Seria muito bom pro meu basquete. Fora o lance de que o rabo parece ajudar muito no equilíbrio desses bichos enormes.

A obviedade chata do filme é o excesso de referências ao Bushismo: ataques preventivos, "war on terror", "shock and awe" e o retorno (já meio batido nos diasd e hoje) do mito do bom selvagem.

Mas vale a pena, achei bacana. Vou ficar irritado se começar a ler discussões muito aprofundadas sobre a filosofia embutida em Avatar.


Bookmark and Share

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Diários de dispersão 2009 (2)

Continuando a série, agora alguns dos esboços que produzi durante o Primer Encontro de Arte Público en Latinoamerica, lá em Buenos Aires, há mais de 1 mês.

Abaixo, pessoas reais que estavam efetivamente lá no encontro:










Aí ao final estão desenhos completamente imaginários e aleatórios de "personas" -- coisa que eu costumo fazer também em momentos "dispersivos".



(detalhe: a umidade ocasionada por uma chuva inesperada acabou por afetar o desenho da "nêga"... mas conferiu um interessante efeito à tinta da caneta esferográfica.)


Bookmark and Share


 

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

EU. Estava. Lá.


Este último domingo de manhã. Teatro Cecília Meirelles, na Lapa. Concertos da Juventude: Tributo a John Williams. Orquestra Sinfônica do Brasil tocando temas de Williams para filmes (E.T., Indiana Jones, Star Wars, Harry Potter, Lista de Schindler, etc).
Sessão especial, a doirreal o ingresso.


Na hora do bis...



Morar no Rio está se mostrando sumamente interessante.


Bookmark and Share


 

domingo, 20 de dezembro de 2009

Diários de dispersão 2009 (1)

Quem me conhece pelo meu desempenho escolar pode cometer o erro de me julgar um exemplo de atenção, de alguém que se concentra nas aulas. A verdade é que tenho uma terrível tendência a ser dispersivo pra qualquer situação que envolva pessoas falando ao vivo para um público: aulas, palestras, debates, bancas... a concentração exige esforço consciente.

A principal maneira de manifestação dessa dispersão é a vontade de desenhar. (Acho que também tem a ver com as várias pessoas estáticas à sua frente, à disposição para servir de modelo sem o saber).

Bom, a questão é que vou colocar alguns posts, daqui pra frente, mostrando os resultados de algumas ocasiões de dispersão.

A primeira que coloco aqui é quando fui, já faz dois meses, a uma mesa redonda denominada "HQ da vida real: biografias e reportagens em quadrinhos". A mesa era a última parte de um evento bem legal, a "Semana de quadrinhos da Travessa", e ocorreu no auditório da Livraria da Travessa no Shopping Barra (que, do ponto de vista da minha casa, é lááá na PQP) .

Desenhados aqui abaixo aparecem os quadrinhistas Allan Sieber, o Juca (da revista Tarja Preta) e o pesquisador Aristides Dutra.



Neste próximo, tentei desenhar o Sieber e o roteirista Sandro Lobo.


(Alzira Valéria, eficientíssima organizadora do evento, mandou o desenho pro Sieber. Parece que o Sieber teria dito que parecia desenho do Harvey Pekar. Colocada assim, a frase comporta uma ambigüidade -- a qual não deixa de ser meio preocupante, uma vez que Pekar não sabe desenhar... :) )


Bookmark and Share


 

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Ângelo se Revolta


Bookmark and Share

George Carlin

Pra quem não conhece (creio que muita gente no Brasil), George Carlin foi um humorista americano, do tipo "stand up comedian", morto no ano passado. Mais do que "mais um comediante", Carlin era considerado um intelectual e poeta, suas rotinas sempre foram marcadas pela teatralidade, raramente eram coisas improvisadas. Era tido como um ícone da contra-cultura na década de 1970, e ficou famoso por sua rotina "Seven Words you can never say on TV" (sete palavras que nunca podem ser ditas na TV): shit, piss, fuck, cunt, cocksucker, motherfucker e tits.

Lembro de ter visto várias de suas rotinas quando morei nos EUA, e semana passada, 14 anos depois, vi o cara num programa de TV e resolvi assistir algumas coisas no youtube, que compartilho aqui.

A primeira, mostra a capacidade de trabalho com a poesia e boas doses de humor sutil e c´ritica social. O poema se chama "The Modern Man." Segue o vídeo e a transcrição:



"I’m a modern man, a man for the millennium. Digital and smoke free. A diversified multi-cultural, post-modern deconstruction that is anatomically and ecologically incorrect. I’ve been up linked and downloaded, I’ve been inputted and outsourced, I know the upside of downsizing, I know the downside of upgrading. I’m a high-tech low-life. A cutting edge, state-of-the-art bi-coastal multi-tasker and I can give you a gigabyte in a nanosecond!
I’m new wave, but I’m old school and my inner child is outward bound. I’m a hot-wired, heat seeking, warm-hearted cool customer, voice activated and bio-degradable. I interface with my database, my database is in cyberspace, so I’m interactive, I’m hyperactive and from time to time I’m radioactive.
Behind the eight ball, ahead of the curve, ridin the wave, dodgin the bullet and pushin the envelope. I’m on-point, on-task, on-message and off drugs. I’ve got no need for coke and speed. I've got no urge to binge and purge. I’m in-the-moment, on-the-edge, over-the-top and under-the-radar. A high-concept, low-profile, medium-range ballistic missionary. A street-wise smart bomb. A top-gun bottom feeder. I wear power ties, I tell power lies, I take power naps and run victory laps. I’m a totally ongoing big-foot, slam-dunk, rainmaker with a pro-active outreach. A raging workaholic. A working rageaholic. Out of rehab and in denial!
I’ve got a personal trainer, a personal shopper, a personal assistant and a personal agenda. You can’t shut me up. You can’t dumb me down because I’m tireless and I’m wireless, I’m an alpha male on beta-blockers.
I’m a non-believer and an over-achiever, laid-back but fashion-forward. Up-front, down-home, low-rent, high-maintenance. Super-sized, long-lasting, high-definition, fast-acting, oven-ready and built-to-last! I’m a hands-on, foot-loose, knee-jerk head case pretty maturely post-traumatic and I’ve got a love-child that sends me hate mail.
But, I’m feeling, I’m caring, I’m healing, I’m sharing-- a supportive, bonding, nurturing primary care-giver. My output is down, but my income is up. I took a short position on the long bond and my revenue stream has its own cash-flow. I read junk mail, I eat junk food, I buy junk bonds and I watch trash sports! I’m gender specific, capital intensive, user-friendly and lactose intolerant.
I like rough sex. I like tough love. I use the “F” word in my emails and the software on my hard-drive is hardcore--no soft porn.
I bought a microwave at a mini-mall; I bought a mini-van at a mega-store. I eat fast-food in the slow lane. I’m toll-free, bite-sized, ready-to-wear and I come in all sizes. A fully-equipped, factory-authorized, hospital-tested, clinically-proven, scientifically- formulated medical miracle. I’ve been pre-wash, pre-cooked, pre-heated, pre-screened, pre-approved, pre-packaged, post-dated, freeze-dried, double-wrapped, vacuum-packed and, I have an unlimited broadband capacity.
I’m a rude dude, but I’m the real deal. Lean and mean! Cocked, locked and ready-to-rock. Rough, tough and hard to bluff. I take it slow, I go with the flow, I ride with the tide. I’ve got glide in my stride. Drivin and movin, sailin and spinin, jiving and groovin, wailin and winnin. I don’t snooze, so I don’t lose. I keep the pedal to the metal and the rubber on the road. I party hearty and lunch time is crunch time. I’m hangin in, there ain’t no doubt and I’m hangin tough, over and out!"

O segundo exemplo é mais polêmico - pra muita gente, penso. Carlin era um racionalista, do mesmo grupo de James Randi e Penn & Teller...a rotina a seguir se chama "Religion is Bullshit". Vale a pena:




Bookmark and Share

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Momento materialista e dialético (4)


Como acho que exagerei na dose de hermetismo deste post, vou dar uma pequena explicação aqui... oa trechos aqui fotografados são todos tirados do mesmo livro, uma Antologia de textos do grupo de arruaceiros vanguardistas intelectuais e artísticos dos anos 60 que se chamavam de Situacionistas.

Eu postei aqui imagens de trechos que me pareceram ao mesmo tempo simples e bastante exemplares da crítica e da retórica Situacionista.

O "núcleo duro" de conceitos da Internacional Situacionista é o livro seminal, ácido e metido-a-besta do francês Guy Debord, A Sociedade do Espetáculo. As idéias de Debord influenciaram (e influenciam) muita gente até hoje, e sua crítica à sociedade do consumo cultural mass-mediático é uma das mais antigas e relevantes.

Um resumo e comentário interessante das idéias pode ser encontrada neste texto aqui, do site Observatório da Imprensa, e neste outro texto aqui de Anselm Jappe, do qual cito um pedacim:


Lançado na França em 1967, A Sociedade do Espetáculo tornou-se inicialmente livro de culto da ala mais extremista do Maio de 68, em Paris; hoje é um clássico em muitos países. Em um prefácio de 1982, o autor sustentava com orgulho que o seu livro não necessitava de nenhuma correção.
O “espetáculo” de que fala Debord vai muito além da onipresença dos meios de comunicação de massa, que representam somente o seu aspecto mais visível e mais superficial. Em 221 brilhantes teses de concisão aforística e com múltiplas alusões ocultas a autores conhecidos, Debord explica que o espetáculo é uma forma de sociedade em que a vida real é pobre e fragmentária, e os indivíduos são obrigados a contemplar e a consumir passivamente as imagens de tudo o que lhes falta em sua existência real.
Têm de olhar para outros (estrelas, homens políticos etc.) que vivem em seu lugar. A realidade torna-se uma imagem, e as imagens tornam-se realidade; a unidade que falta à vida, recupera-se no plano da imagem. Enquanto a primeira fase do domínio da economia sobre a vida caracterizava-se pela notória degradação do ser em ter, no espetáculo chegou-se ao reinado soberano do aparecer. As relações entre os homens já não são mediadas apenas pelas coisas, como no fetichismo da mercadoria de que Marx falou, mas diretamente pelas imagens.

Quem quiser ler o original pra valer, tem vários links (O livro era copyleft avant la lettre) . Eu conheço este.


Bookmark and Share


 

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Yes they can





Essa última eu tirei daqui, indicação do Lucas Corato.


Abaixo vai uma velha, que eu tirei do Mexerica:

domingo, 13 de dezembro de 2009

Cidades (apenas) Visíveis

Me passaram recentemente o link (valeu, Pinha!) para esta notícia: A revista The Architect's Journal elegeu as 5 maiores cidades das histórias em quadrinhos.
("maior" não no sentido de tamanho, capisce? Embora a lista possa dar essa impressão... é um "top 5")

Muito interessante. Aí abaixo vai o vídeo.



Mais interessante ainda que o vídeo, pra mim, foi a lista completa das 10 maiores cidades das Histórias em quadrinhos, que possuía algumas que eu ainda não conhecia.
A lista completa, em ordem descrescente (com links):



10 - Radiant City (não conhecia mesmo.)


9 - A Cidade Inca de Titin (li poucas histórias do Tintin, e portanto não conhecia essa cidade)


8 - Metropolis (acho que dispensa apresentações. A versão da super-cidade exemplificada no link é desenhada pelo Frank Quitely, desenhista fabuloso)


7 - Urbicand (também não conhecia, e achei interessantíssima. Desenhista extraordinário, bem europeu)


6 - Gotham City
(Também dispensa apresentações)


5 - A cidade de "O longo amanhã", de Moebius (esta especificamente eu não conhecia, mas as cidades de Moebius têm me fascinado há muito tempo. Detalhe: há um erro no site. A última das imagens não é dessa cidade, mas da megacidade de O Incal -- que, na verdade, é praticamente igual)


4 - A New York do Demolidor (Daredevil) (Eles falam aqui, especificamente, da H.Q. A queda de Murdock, excelente obra do Frank Miller na época em que ele dava no couro. Bem, eu não colocaria a cidade nesta posição do ranking... mas valeu a menção. Embora N.Y. seja cenário de vários dos heróis da editora Marvel -- Quarteto fantástico e Homem-Aranha, só pra citar, são novaiorquinos de carteirinha -- a cidade adquire outra dimensão no Demolidor de Frank Miller: a cidade é fitada a partir de sua suburbanidade, suas áreas mais pobres e criminosas)


3 - A Londres de From Hell, de Alan Moore e Eddie Campbell. (boa escolha!)


2 - A Chicago de Chris Ware (Ware, Fabuloso gênio louco, faz várias HQs passadas em Chicago -- incluindo a sua mais famosa e ultrapremiada "graphic Novel" Jimmy Corrigan, que comprei pela Amazon e estou a ler agora.)


1 - Mega City One (bem se vê que a Architect's Journal é uma revista Inglesa!! Mega City One é bem interessante como metrópole futurista distópica, mas o primeiro lugar só se explica mesmo pelo "impacto regional". Pra quem não sabe, Mega City One é cenário de Judge Dredd, HQ inglesa de grande sucesso e que na década de 90 virou filme... com Sylvester Stallone como protagonista.......)



Bem. Tudo muito legal.
Mas critico duas grandes faltas nessa lista:

1. Caramba, cadê o Will Eisner? O maior cronista urbano das histórias em quadrinhos! Sua New York é ao mesmo tempo cenário e personagem de dezenas de histórias!! Imperdoável. Deixá-lo de fora requisita explicações detalhadas...


2. onde está a Neo-Tokyo de Akira, de Katsuhiro Otomo? Uma história de grande sucesso, com mais de 1800 páginas TODAS passadas dentro de uma única cidade (com a exceção de algumas cenas num porta-aviões em alto-mar e duas cenas curtas no espaço sideral...), no qual a cidade é detalhada primorosamente e é um participante absoluto do clima e enredo da história...



Será que o Mangá de Akira não fez muito sucesso na Inglaterra? Ou será que já foi esquecido? Ou simplesmente preferiu-se privilegiar autores ocidentais? Ficam as dúvidas.


Bookmark and Share


 

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Dia do Arquiteto


Essa velha tira de Louis Hellman é um dos melhores comentários sobre a profissão que vi até hoje.


Bookmark and Share


 

DIA DO ARQUITETO 1





... Na verdade, esse vídeo serve também para designers, publicitários, cineastas e qualquer profissão que tenha de trabalhar com essa coisa, tão estranha e vaga para a maioria da população, que se chama... projeto.


Bookmark and Share


 

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Worked out narcisus

Abaixo, trechos (longos) do texto (curto) de Rui Sardinha, "espelhinho, espelhinho meu", que foi publicado na revista V!RUS nº 2.


(...) Até a puberdade domina, na criança, o pensamento animista. Assim, não existindo uma linha clara que separe os objetos das coisas vivas, é bastante natural que estes falem, dêem conselho, ajudem os personagens em suas façanhas ou que os homens possam se transformar em objetos ou vice-versa(...). Incapazes de grandes abstrações, os objetos encantados fornecem o substrato material necessário à simbolização das dúvidas e anseios que povoam o universo infantil.

Sabemos, entretanto, que a passagem da infância para a fase adulta se dá justamente através do arrefecimento do pensamento animista em prol das explicações mais abstratas (aquilo que chamamos de pensamento científico ou raciocínio lógico). Cônscio de si, de suas limitações e potencialidades, poderá finalmente promover o questionamento das imagens míticas tão essenciais em momentos pretéritos.

Entretanto, tanto individualmente quanto em termos de estruturas sociais, há momentos onde o vínculo com o pensamento mágico se mostra necessário para compensar a aspereza da vida ou a imaturidade da formação psíquica. Um bom exemplo disso pode ser obtido no conto Branca de Neve.

(...) A necessidade que a madrasta-rainha tem de se reportar constantemente ao espelho mágico (um objeto programado para dizer somente a verdade) reitera obsessivamente seu comportamento infantil. Não podendo sublimar, a madrasta-rainha encontra-se aferrada ao princípio de prazer que a satisfação narcísica do reconhecimento de sua beleza ímpar lhe proporcionava.

(...) É sabido que o modo de existência dos nossos objetos tecnológicos – neste caso, dos objetos computacionais com interfaces tangíveis – aproxima-os muito mais do universo objetivo e lógico das ciências, requisitando também do interator ações e procedimentos afeitos ao pensamento abstrato. A maravilha com a qual aqui se lida não é, certamente, a da ordem do sobrenatural e sim das capacidades inerentes ao processo de desmistificação do mundo. Mas também é preciso não esquecer que este é apenas um dos lados deste cristal multifacetado que é o ser humano, e que o pensamento animista pode, muitas vezes, melhor responder às demandas internas, ainda mais numa sociedade que insiste a nos reduzir a homo consumens.

Mas, assim sendo, uma importante diferença marca a transição dos espelhos mágicos de nossa época daquele narrado pelo conto de Branca de Neve. Se lá ele revelava à madrasta-criança a impossibilidade da satisfação de seus desejos, os atuais oferecem-nos a construção imaginária (hiperbolizada por tais constructos tecnológicos) de um eu que tudo pode, da satisfação plena de todos os desejos. Não mais através das simbolizações, mas da posse desses objetos (o que leva ao surgimento de uma nova categoria – os tecno-excluídos ou deprimidos digitais).

Assim, diante do espelho digital, ao inquirí-lo sobre seu narcisismo contemporâneo, a top model ouviria: “Real senhora, sois aqui a mais bela. Porém Branca de Neve é que de vós ainda mais bela!”, e, diante da infelicidade de seu prossumidor, o espelho acrescentaria: “Não vos preocupeis, clicai aqui e vos fornecerei a lista atualizada de todas as tecnologias de embelezamento disponíveis no mercado”.

E assim, vive feliz nossa madrasta-modelo, pelo menos até que seu dinheiro acabe.

SARDINHA, R. L. Espelhinho, espelhinho meu. V!RUS, São Carlos, n.2, 2 sem. 2009. Disponível em

O Rui é um professor que entrou em São Carlos quando eu já estava saindo de lá. Mas eu adoraria conversar mais com ele...


Bookmark and Share


 

sábado, 5 de dezembro de 2009

Dica

O link do blog taí do lado, e já falei a respeito.

Ainda assim, as últimas histórias mais longuinhas de Wagner&Beethoven estão simplesmente GENIAIS.

Recomendo estas 4:









Por favor, vão lá e leiam essas.


Bookmark and Share


 

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Dubai aiai

Senhores, tenho que admitir meu espírito-de-porquismo (ou suinismo espiritual, como preferirem): ver Dubai na merda me faz feliz.
Uma felicidade perversa, eu sei, mas que não consigo evitar.





Eu lembro que, com a crise toda, eu fiquei pensando: "E Dubai?". Afinal, se tinha algo que era mantido total, exclusiva e ostensivamente por capital financeiro (I.E., por dinheiro que não advém de produção de porra nenhuma) era essa insanidade turística, arquitetônica, urbanística e política.

Nos últimos anos, vi elogios em revistas de turismo e em outras publicações menos respeitáveis. Vi reportagens especiais e documentários de televisão. Vi babaquices de astros metidos a salvadores do mundo. Recebi e-mails com powerpoints que mostravam a "maravilha" do lugar, e comentários de pessoas que me enviavam estes ou de pessoas em blogs que exclamavam maravilhadas sobre como queriam ir para lá, morar lá, que lugar lindo, que sonho!

Elianes Catanhêdes elogiavam o lugar -- tudo como deixa, é claro, para xingar nosso atual governo. (desculpe, Eliane, mas... burra, burra, burra! E mais burro quem a levou a sério.)

Eu achava Dubai um absurdo; mas até ler esse texto aqui, publicado na Piauí de uns meses atrás (originalmente do The Independent ), minha indignação era uma questão de gosto e do meu esquerdismo residual automático. Eu ainda não fazia idéia de quão fundo era o buraco; do tamanho do absurdo em questão. Com direito a trabalho escravo, desperdício gritante de recursos e recusa a todo e qualquer bom-senso de aproveitamento ambiental.



Vamos lá: Dubai é um monumento gigantesco a tudo que há de mais insano, irracional e ostentatório no mundo capitalista contemporâneo. É um prato cheio para qualquer esquerdista falar de quanto os "incluídos" são capazes de ignorar, desde que seus próprios umbigos permaneçam quentinhos, sequinhos e entretidos. Pois Dubai é um "paraíso" de capitalismo... que consegue ser:
- menos democrático que o Irã e quase tão conservador quanto;
- tão ou mais ideologicamente restritivo que Cuba;
- mais fake que Miami e quase tanto quanto uma Disney World;
- mais perdulário, ecologicamente despreocupado e desrespeitador de direitos humanos que a China.



Não me surpreende o uso de trabalho semi-escravo em meio a uma "pérola" de ultramodernidade (ei, vivemos no Brasil, lembram?). O que me deixa realmente triste é o fato de que, entre as muitas aleivosias, elogios e propagandas feitas ao lugar, NINGUÉM DO OCIDENTE "DESENVOLVIDO" PARECEU DAR A MÍNIMA IMPORTÂNCIA PARA ISSO. Triste, mas não surpreendente.

AGORA que Dubai, na merda, resolveu dar uma "moratória" de 80 bilhões no Ocidente... vamos ver em quanta gente a ficha vai cair. Poucos, provavelmente.


Ver um lugar assim ruindo -- ou, pelo menos, em imagem -- é pra mim parecido com assistir as pessoas botando abaixo o monumento do Stalin. Claro que, em essência, é completamente diferente. Porque provavelmente Dubai não vai "ruir" mesmo -- há muito dinheiro envolvido. Porque ninguém está ativamente pondo-a abaixo. Porque muitos ainda vão sofrer com a "queda" desse monumento -- provavelmente os mesmos que já sofreram com a construção dele.

Ainda assim, pequenos prazeres mesquinhos devem ser saboreados de vez em quando.



Bookmark and Share


quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Em caso de guerra

Ontem levei muita sorte: o apagão de ontem à noite não afetou Maringá. Na hora do problema, eu estaa em sala de aula, e houve oscilações na luz. Desliguei o notebook correndo, pensando ser um problema localizado.

Ao chegar em casa, encontrei meu desktop funcionando direitinho, comecei a trabalhar sem olhar para qualquer notícia até que fui avisado, pela Milk do apagão geral.

Descobri que o problema atingiu, aparntemente, a estação de distribuição de Ivaiporã (depois de Maringá, que aparentemente não faz parte do sistema Itaipu, apesar da proximidade.

18 estados foram atingidos, entre eles Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro e Minas...provvelmente o Gabriel ficou sem luz, e o céu de São Paulo deve ter ficado mais bonito...

Agora, em caso de guerra...ITAIPU SE MOSTROU UM EXCELENTE ALVO!

Que coisa ter uma usina tão grande.






Bookmark and Share


segunda-feira, 9 de novembro de 2009

o ateísmo no mundo

Boas notícias!

2009 é o ano de Darwin. Comemoramos os 200 anos de seu nascimento e os 150 da publicação de "A origem das espécies", cujo título original é On the Origin of Species by Means of Natural Selection, or the Preservation of Favoured Races in the Struggle for Life (Sobre a Origem das Espécies por Meio da Seleção Natural ou a Preservação de Raças Favorecidas na Luta pela Vida).

Este livro é certamente uma das obras mais importantes da história, senão o mais importante. Pois bem estive em uma palestra, na semana da Biologia, do prof. Dr. Mario de Pinna, da USP. A palestra foi bastante interessante, ainda que claramente produzida para leigos - não era o caso da plateía, estudantes e professores de biologia ou meu, entusiasta do tema. Ainda assim, uma boa palestra de divulgação científica.

Obviamente, a contribuição de Darwin não se limita à Biologia. A Teoria da Evolução é, há bastante tempo, uma verdade científica, ainda que esteja sendo constantemente aperfeiçoada - exatamente como acontece com as ciências. Não é uma questão de opinião, mas de fatos.

Foi lançado neste ano, aqui no Brasil, um excelente livro de Richard Dawkins, intitulado "A Grande História da Evolução", onde o biólogo expõe, através de uma analogia com os "Contos da Cantuária", uma peregrinação dos homens em busca da origem da vida, passando, em cada capítulo, por um concestral, ou seja, no primeiro encontro juntam-se a nós os chimpanzés e bonobos, que tem o concestral (ancestral comum) mais próximo. Depois vem gorilas, orangotangos, gibões....................enfim, são 40 encontros e a redação de Dawkins é deliciosa. O livro não contém ataques explícitos à religião - e não precisa.

Bom, dito tudo isso (divaguei demais aqui), quero chegar no seguinte ponto: como anda o ateísmo pelo mundo.

No Brasil, não há dados oficiais a respeito do número de ateus. Sabemos que, no censo de 2000, havia 7% de pessoas sem religião declarada, o que na prática não diz muita coisa - muita gente não se identifica com qualquer doutrina religiosa, mas acredita em Deus ou "forças superiores".

Os dados mais próximos da realidade são aqueles das pesquisas de opinião (Ibopes e Datafolha da vida), e apontam para cerca de 1,5% de ateus. Muito pouco. Eu imagino que o país teria que ser muito diferente para atingir um número que eu pensava ser alto, como 10% da população, por exemplo - pra mim, uma quantidade altíssima.

Pois bem, na semana passada, me deparei com um trabalho, de um pesquisador inglês, que trabalha com dados de países nos quais o censo de fato contabiliza a quantidade de ateus. Os números me impressionaram. A coluna do IDH foi inclusão minha, a relação é meio capenga porque os traços culturais determinam muita coisa. Aqui vão:

País ateus/agnósticos sem religião IDH 2007
2005 (%) 2005 (%)
Japão 64 65 0,953
República Tcheca 54 61 0,891
Suécia 46 85 0,956
França 43 54 0,952
Dinamarca 43 80 0,949
Bélgica 42 43 0,946
Alemanha 41 49 0,935
Holanda 39 44 0,953
Eslovênia 35 38 0,917
Bulgária 34 40 0,824
Hungria 32 46 0,874
Noruega 31 72 0,968
Grã-Bretanha 31 44 0,946
Coréia do Sul 30 52 0,921
Finlândia 28 60 0,952
Austrália 24 25 0,962
Rússia 24 48 0,802
Nova Zelândia 20 22 0,943
Letônia 20 29 0,855
Canadá 19 30 0,961
Áustria 18 26 0,948
Suíça 17 27 0,955
Islândia 16 23 0,968
Espanha 15 24 0,949
Israel 15 37 0,932
Cazaquistão 11 12 0,794
Eslováquia 10 28 0,863
China 8 14 0,777
Itália 6 15 0,941
Portugal 4 9 0,897
Argentina 4 8 0,869
Estados Unidos 3 9 0,951


Na minha opinião, podemos desconsiderar o Japão. Muitas das religiões orientais não tem um deus específico, mas apresentam tradições essencialmente supersticiosas. Também descolfio dos países em que houve proibições aos cultos religiosos, caso dos países que foram membros da União Soviética ou tiveram regimes socialistas totalitários.

Fora isso:

Suécia com 85% das pessoas sem religião, dentre estas, 46% de atues. JAMAIS, repito, JAMAIS pensei que houvesse no mundo porcentagens dessa ordem na quantidade de ateus. França, Dinamarca, Bélgica, Holanda, Alemanha, Noruega e Grã-Bretanha todos com mais de 30% de ateus. O menor IDH desse grupo todo é o da Alemanha (0,935 - 41% de ateus).

A quantidade de pessoas sem religião indica também alguma coisa: descompromisso coma igreja, e por consequência, com líderes religiosos e orientações oficiais. Aí, utilizando os mesmos critérios de exclusão de alguns dados (Japão e República Tcheca), temos a seguinte ordem:

Suécia (85%), Dinamarca (80%), Noruega (72%), Finlândia (60%), França (54%). Coincidentemente (ou não), os 4 países nórdicos ocupam as quatro primeiras posições desse ranking.

Na minha opinião, isso talvez implique em pensar que esses países terão populações quase que completamente atéias em poucas gerações, uma vez que não estarão educando suas crianças seguindo crença em deuses, monstros, fantasmas ou quaisquer outras criaturas místicas.

Mais do que qualquer coisa, é uma felicidade constatar o óbvio: ninguém precisa de qualquer Deus para ser bom. É só verificar que os países nórdicos são, possivelmente os mais prósperos do mundo: educação super valorizada, excelentes sistemas de serviços sociais, avessos às guerras...enfim, os famosos well-fare states.

Me parece que há, de fato, uma relação direta entre progresso social/educação e a ausência de religiosidade/ateísmo. E nesse fato, a esperança de um mundo melhor, menos intolerante e mais racional. E que, ao contrário do que se prega por aqui, uma sociedade de fato laica e atéia não levará ninguém a ser "menos bom" - possívelmente o que ocorre, quando pensamos na escala de grandes populações, é exatamente o contrário que ocorre.

Impressionante.


P.S. Outras curiosidades:

1) EUA são a maior distprção desses dados todos. O IDH elevadíssimo reflete simplesmente a pujança econômica (apesar da crise) e o baixo índice de analfabetismo (lembrem-se dos perigos da semi-educação);

2) Israel: 15% de ateus (!!!); 37% de pessoas sem religião (!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!)

Fonte dos dados: Zuckerman, Phil. Atheism: Contemporary Rates and Patterns, capítulo no "The Cambridge Companion to Atheism", ed. by Michael Martin, Cambridge University Press: Cambridge, Inglaterra (2005).


Bookmark and Share


 

I Prêmio Bento XVI - edição 2009

Wilbor se Revolta lança o "I Prêmio Bento XVI". O prêmio será concedido anualmente àqueles que se destacam por manifestações públicas de homofobia. Gabriel fica encarregado do design do troféu, chamado carinhosamente de "o Ratzinger".

Antes de qualquer coisa, é necessário deixar claro que o papa é hors concours, e após seu falecimento - que esperamos não levar muito tempo - será homenageado com um Ratzinger pelo conjunto da obra e grande capacidade de influenciar multidões mundo afora.

O único pré-requisito é que a declaração (ou o conjunto delas) tenha sido publicado em algum meio de comunicação licenciado, o que, infelizmente, elimina um professor meu que contou o seguinte caso em sala de aula:

"Li uma reportagem que mostrou um cara que tinha estimulado suas glândulas mamárias a tal ponto que chegou a produzir leite. E o cara nem era viado".

Gays dão leite?

Minha lista preliminar conta com três nomes:

1) Roberto Requião (PMDB), governador do Paraná, por seu discurso a respeito do câncer de mama nos homens, no programa educativo do estado, apresentado eplo próprio:

"A ação do governo não é só em defesa do interesse público. É da saúde da mulher, também", disse o governador. "Embora hoje câncer de mama seja uma doença masculina também. Deve ser consequência dessas passeatas gay."

2) Marly Martin (PFL), vereadora do município de Maringá-PR, pela apresentação de projeto de lei (arquivado) que previa que:

"A vaga destinada à associação (Associação Maringaense de Lésbicas, Gays, Travestis e Transexuais) no Conselho Municipal da Mulher deveria ser substituída por um "representante das entidades de recuperação de prostitutas e lésbicas".

3) André Puccinelli (PMDB), governador do Mato Grosso do Sul, por suas considerações ao ministro do Meio Ambiente:

"Ele é um 'viado', fumador de maconha". Disse ainda que se Minc participasse da Meia-Maratona Internacional do Pantanal, que será realizada no dia 11 de outubro, o ministro teria que sair vencedor da corrida. "Porque senão eu (Puccinelli) o alcançaria e ele seria estuprado em praça pública", disse.


Podem ser inscritos aqueles que quiserem se manifestar até o final deste ano. Boa sorte a todos!



Bookmark and Share