quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Oficinas

Não foi a primeira vez. Na verdade, tratava-se da terceira Oficina de Histórias em Quadrinhos que eu, na condição de amador intrometido a quem desde pequeno convenceram que desenhava bem, tentei ministrar em um evento universitário.

As duas primeiras foram pensadas para encontros de estudante: ENEA 98 (Encontro Nacional de Estudantes de Arquitetura), no Rio de Janeiro; e o EREA (R de Regional) 2000 em Ribeirão Preto. Nenhuma das duas deu certo. Por vários motivos.

A primeira nem sequer chegou a acontecer -- fui colocado com meu parceiro de empreitada para "oficinar" crianças numa favela urbanizada. Superbacana.

Na segunda me juntei de última hora com uma outra oficina de uma simpática fanzineira fissurada em poesia, mangá e Edgar Franco. Um problema que houve foi que seus objetivos e opiniões sobre o meio diferenciavam muito dos meus -- e isso só foi aparecer no pior momento, na hora da oficina ser ministrada. Mas estou deixando de lado, é claro, os problemas mais óbvios e realmente relevantes:
- a dispersão dos alunos, normal nesse tipo de vento;
- as difíceis quantidades de tempo e trabalho que uma HQ exige;
- e, last but not least, a inabilidade didática dos oficinantes.


Pois bem: esta última oficina de 2008 foi realizada na III Semana Acadêmica do Curso de Design da Universidade Estadual de Maringá. Diferenciais importantes:

- foi a primeira que ministrei na condição de professor universitário -- e com 2 anos de experiência de aula de desenho;
- tratava-se de um evento interno e pequeno -- o seja: eu ministrei aula para meus próprios alunos;
- foi a primeira em que tive um material de apoio generoso (datashow e livros de Scott Mcloud via e-mule, por exemplo.)
- Por ser um evento "interno", eu pude esperar e exigir que os produtos da oficina fossem entregues depois.

Assim sendo, essa foi a primeira oficina a render materiais palpáveis e interessantes (ainda que poucos). Aqui abaixo estão duas dos quatro que deveriam ter sido entregues. (clicar neles pra ver num tamanho decente).





Resultado final: quero ministrar outras oficinas de HQ. Embora eu vá sair da atual universidade, torço para que me chamem para fazer isso de novo no ano que vem.


Bem, agora o detalhe legal: até uns 10 dias antes do evento, eu ia ministrar uma oficina de ilustração (booooring) com a qual eu nem sabia o que fazer. Numa noite num café (O café de Cianorte) um amigo comentou, diante de meu enlevo em discutir aspectos metafóricos de Sandman, algo como: "você gosta mesmo disso, não é?". E me veio a idéia: "ora, por que não"?

(aliás, posso ter algum problema de recalque com HQs. Vou psicologizar isso depois.)


Bookmark and Share


 

2 comentários:

Edgar Franco disse...

Olá amigo,

Aqui é o Edgar Franco, lendo seus comentários fiquei muito curioso pra saber quem era essa "fanzineira simpática fissurada em poesia, mangá e Edgar Franco"!
Se puder me revelar envie-me um e-mail: oidicius@hotmail.com

E parabéns pelo blog!!!!
Abração,

Edgar Franco

Gabriovaldo Erasmo disse...

Olá, Edgar, seja bem-vindo!

Mandei um e-mail para você, mas fica registrado aqui também: a "simpática fanzineira" era a Erika Saheki, com quem não tenho contato desde 99...

Abraço!