sábado, 16 de outubro de 2010

pela excomunhão de Serra

Lamentável que os grupos religiosos mais conservadores do país tenham conseguido uma posição dos dois candidatos à presidência da república em relação à legislação do aborto.

A campanha do PSDB, ao trazer o tema para o debate político é responsável por um enorme retrocesso nas relações igraja-Estado no Brasil.  Pior ainda, aliás, sacanagem pura mesmo, foi o Serra ter acusado a Dilma, através de declaração de sua esposa, de ter "matado criancinhas", posando, com isso, de bom-moço cristão.  Descobre-se agora que, Mônica Serra já fez um aborto.  Sim, Serra é do bem...

 

Numa eleição em que concorrem uma mulher e o marido de uma mulher que por qualquer motivo precisou praticar um aborto, tínhamos a oportunidade, caso Serra mantesse seu bico fechado, de ter um avanço na nossa legislação.  Podiam, no segundo turno, terem declarado que são contra a criminalização do aborto, tirando o tema da pauta comum.  Ao invés disso Serra, de forma hipócrita, ignorou seu passado - não é coisa rara - e assumiu a postura religiosa, obrigando Dilma a assinar um documento em que se comprometer a não propor, caso eleita, qualquer alteração na legislação.

Não satisfeita com isso, a Folha, que vem  lamentando a presença dos temas políticos na eleição, estampa em sua primeira págin que Dilma não se comprometeu a vetar qualquer legistação que tenha iniciativa no Congresso.  A notícia do aborto de Mônica Serra vem na mesma página, com destaque menor.

Nas eleições de 2002, preocupado com o nervosismo dos mercados devido à possível vitória de Lula, FHC propôs que todos os candidatos assinassem uma carta se comprometendo a honrar as dívidas do país.  Fez o que era melhor para o país em detrimento de um tema que poderia ser explorado por seu candidato - o mesmo José Serra.  Não se falou mais em calote e pronto.  O mesmo acordo de cavalheiros podia ter sido celebrado aqui - respeito ao secularismo.

Serra é favorável sim à descriminalização do aborto, como é a Dilma e muita gente.  Só é safado o suficiente para explorar a posição contraditória da petista esquecendo-se de que ele próprio já passou por essa situação.

Só fico aguardando ansioso a posição do braço da CNBB que mandou imprimir mais de 2 milhões de panfletos anti-Dilma em São Paulo.  Continuarão apoiando Serra?  A pena pra isso, caso os amigos não lembrem, é a excomunhão.

4 comentários:

Marcílio - o gêmeo malvado disse...

Alguém se arrisca a dizer qual seria o destaque dado pela imprensa caso quem tivesse praticado um aborto fosse, sei lá, a mulher do Zé Dirceu?

Eu detesto entrar nesse tipo de assunto, essa história da Mônica Serra não os desqualifica em nada, mas tá na hora de acabar com a hipocrisia.

Marcel disse...

Misteriosamente, várias pessoas que tiveram caso de aborto na família, e obviamente, não tiveram os membros presos são contra o descriminalização. Aliás, criminalizar condutas só serve exatamente para manutenção do poder. Isto é, a norma criminaliza e marginaliza quem não pode se ocultar da lei, que são os mais abastados, gerando toda uma série em cadeia de burocracia mantenedora do status quo. O juiz que faz a subsunção do fato a norma e que estigmatiza a mulher que abortou. A policia que também reproduz a estrutura de criminalização e marginalização de quem não pode se emiscuir da lei e retorna ao crime.
Somado a tudo isso a maldita hipocrisia que eternamente paira por ai.
E qual é o poder que se mantém afinal de contas?
É em parte o poder pelo poder. E em parte o conservadorismo de que realmente somos bons, ganhamos dihneiro e vencemos na vida enquanto mais quem ganha é quem tem dinheiro e quem é pobre é assim pois não mereceu.
O que lembra a estrutura da meritocracia cristã majoritária no Brasil, qual seja, pecado e virtude, pecador que desce aos infernos e o virtuoso que sobre aos céus. Por isso não é estranho deste contexto histórico-cultural em que vivemos, mas que é assustador de se ver...

Santiago disse...

Boa noite,
Bem, fazer o que o Sr. José Serra e boa parte da mídia fizeram foi desespero eles tiveram que apelar para o que deu, o que deu certo foi o aborto, por mais que eles tentem justificar agora falando que o caso Erenice foi o grande causador de migração de votos...

Um cara que fala que o problema da Educação é o fluxo da migração que o Estado recebe... que ora é católico e ora canta música evangélica...

Meu voto irá para Dilma pois nesse senhor não voto.

Obs. 1o turno votei em Plínio.

Marcel disse...

Só citando uma piada que saiu no Twitter:

“Ações da Faber Castel, Chamex e Xerox saltam e o povo compra papel desesperadamente. Serra teme uma guerra civil”(Felipe Salgado).