sexta-feira, 6 de março de 2009

Investimento, risco e resultado

Foi dureza.
Nos últimos quatro dias, de segunda a quinta, estive prestando concurso para professor de Expressão Gráfica e Análise de Arquitetura do Curso de Arquitetura da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, em... Seropédica (o nome é esse mesmo).

Este foi o terceiro concurso para professor no qual participei. De longe, este era o que mais se adequava ao meu perfil e para o qual eu estava mais preparado — os outros dois foram para Design, na UEM e na FAU, e eu nem tinha terminado meu mestrado ainda. Mas este também foi o concurso que mais pesou sobre mim: tendo escolhido largar um ótimo emprego de professor público na UEM, meu futuro profissional na nova cidade é o que estava em jogo. Se por um lado me sentia mais seguro pelo meu perfil e experiência docente, por outro tanto maior era a obrigação de ter sucesso.

Foi uma correria atrás da outra. Fiquei sabendo do concurso no dia 18/12, avisado por uma amiga (valeu, Malu!). A inscrição se encerrava no dia 02 de janeiro. Meu final de ano estava completamente agendado — semana de natal ocupada com parentes e o casamento de um amigo, ano-novo como anfitrião. Quem esteve comigo no ano novo sabe o drama que foi a inscrição: tive que deixar de dar a devida atenção a meus amigos e parentes hóspedes para poder terminar a papelada de inscrição para o concurso, que incluía um Plano de Pesquisa.

O concurso foi marcado pra depois do carnaval. Resultado: passei o carnaval estudando. Além disso, a preparação incluiu um monte de livros trazidos da UEM, a compra de mais alguns (bem carinhos) e uma tarde na Biblioteca Nacional para pesquisar um único livro não encontrado em lugar algum. (tarde que se mostrou depois providencial!)

Nos dias do concurso: tensão, cansaço, o estranhamento do lugar, a precariedade da pousada em que fiquei, o calor horroroso, a má impressão inicial com Seropédica, um rápido ataque de pânico, uma noite virada e duas muito mal dormidas. E muito dinheiro gasto com táxi e hospedagem.

Afora isso, havia o medo da concorrência. Entre meus 16 concorrentes, haviam dois doutores, cinco doutorandos e três professores temporários que já davam aula no lugar. Ao final do concurso, a pontuação do meu currículo era realmente a menor dentre as 8 pessoas que chegaram na reta final.

Houve coisas boas: o clima de camaradagem entre os concorrentes ajudou muito, e os assuntos sorteados para provas escritas e didáticas foram muito bons mesmo para mim. Logo na primeira prova, o coordenador do curso avisou que as 2 vagas iniciais agora seriam 3, e mais à frente poderiam incluir até mais uma. A mente, mais aliviada, põe-se a calcular: “bem, se contar os dois doutores na frente e mais aquela ali... posso ainda entrar na quarta vaga, ou um deles pode desistir pra entrar noutro concurso e acabo incluído na terceira e etc etc.”

Todo o desgaste físico, mental e emocional, enfim, mostrou-se produtivo na quinta à noite. Porque, para a imensa alegria minha e de minha esposa, fui informado de que passei no concurso.














EM PRIMEIRO LUGAR.




(hahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahaha)







Sim, eu estou me gabando... e rindo à toa até agora :) )

11 comentários:

Gargamel Ostrogodo disse...

Foi certamente uma questão de trabalho, comprometimento e esforço. Sinto-me muito recompensado.

Mas é fato que tenho uma tremenda sorte. Deixo um emprego já me sabendo futuramente empregado em outro... é muito bom.


RÁ!!!!!!

Gargamel Ostrogodo disse...

... vou acender uma vela pra São Érico neste domingo.

Lhales Topes disse...

PUTA QUE PARIU, GABRIEL.... parabéns, cara! Fico muito feliz mesmo com esse teu resultado! Felicidades para ti e para Dani. SEU FDP (sim, meu caro, dei para falar bastante palavrão)... heheheh. E parabéns pelo 1. lugar.

sandramilk disse...

Parabééééééééééénnnnnnnnssssss!!!!!! Sucesso e muito mais.... Embriague-se com este feito. Vale a pena se gabar , reconhecer o esforço e mérito próprios!!!! Vou tomar uma la trappe para comemorar!!!!

Marcílio - o gêmeo malvado disse...

Bom, já mandei o e-mail, mas deixo registrado aqui também:

PARABÉNS!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Esse menino é foda!

Eu cliquei no link que você deixou de Seropédica (nunca ouvi falar), e os caras produziam a melhor seda do mundo....que coisa inusitada...

Viva Santo Érico!

Marcílio - o gêmeo malvado disse...

Ah, o negócio da seda já era...a principal atividade hoje é vender areia para a construção civil.

Gargamel Ostrogodo disse...

Pessoal, muito obrigado mesmo pelos cumprimentos!

(ontem eu tomei uma la Trappe pra comemorar, hehehehe!)

Marcílio - o gêmeo malvado disse...

Pô...La Trappe...a gente ensina e o cara fica fazendo inveja. A única coisa pior é o Gabriel comendo chocolate beeeeeeem devagar.

Gargamel Ostrogodo disse...

beeeeeeem devagar é mais gostoso (ainda mais se todo mundo já comeu)

hehehehehe

Aliás, Marcelo, o Rio é um lugar interessantíssimo para os apreciadores de cerveja. É fácil de comprar cervejas difíceis... quando você nos visitar, façamos uma degustação!

Marcílio - o gêmeo malvado disse...

Com certeza! E quanto aos livros, se você puder se separar deles um pouco eu agradeço, não gosto muito de ler no monitor. Prometo que devolvo logo.

abração!

Gargamel Ostrogodo disse...

Sem problema, eu levo os 3 livros então.