quarta-feira, 9 de maio de 2012

Troque seu cachorro por uma criança pobre - e não se esqueça dos golfinhos!


É impressão minha ou a fome na África virou tema fora de moda?

Quanto maior a abrangência das redes sociais, maior é a fidelidade com a qual elas retratam as sociedades - ou pelo menos mostram com mais eficácia aquilo que as pessoas querem mostrar, o que já diz muita coisa.

Todos os dias encontramos no facebook mensagens religiosas, ateias¹, ecológicas, gente divulgando todo tipo de porcaria, incluindo um monte de porcarias legais...e às vezes tem coisa boa mesmo, geralmente vindas das mesmas pessoas.  Vejam, o nosso facebook não representa a "média da sociedade", mas como as pessoas próximas a nós se comportam no mundo digital.  O meu grupo de amigos publica coisas diferentes do seu grupo de amigos, e isso faz do facebook da cada indivíduo um conjunto único de informações.

Essa percepção é interessante, e por vezes eu me assusto com a frequência com que certas coisas aparecem na minha página inicial.  Uma delas é a quantidade de gente que divulga/publica/compartilha coisas relacionadas à proteção dos animais - e em contraste, a quase ausência de gente postando coisas que dizem respeito com o bem estar da humanidade.  Dia desses descobri que o boom de postagens de protetores de animais não é exclusividade do meu facebook.  Eu imaginava que talvez fosse, porque conheço muita gente envolvida diretamente em organizações de proteção aos animais; gente o suficiente para gerar uma distorção na minha página.  Acabei lembrando daquela música do Eduardo Dusek, o "rock da cachorra":


Troque seu cachorro por uma criança pobre
Sem parente, sem carinho, sem rango, sem cobre
Deixe na história de sua vida uma notícia nobre

Troque seu cachorro por uma criança pobre

Tem muita gente por aí que está querendo levar uma vida de cão
Eu conheço um garotinho que queria ter nascido pastor-alemão
Esse é o rock de despedida pra minha cachorrinha chamada "sua-mãe"

Seja mais humano, seja menos canino
Dê guarida pro cachorro, mas também dê pro menino
Senão um dia desse você vai amanhecer latindo

Não quero ser mal compreendido, simpatizo muito com a causa da adoção de bichos abandonados, da guarda responsável, da luta contra atos cruéis, etc.  Não simpatizo com a superioridade moral vegana, com o fim da experimentação científica em animais ou com o fim da caça às baleias².

 Agora, acho curioso que tanta gente esteja tão preocupada com os bichinhos e tão pouca gente esteja preocupada com assuntos relevantes para a espécie humana.  Quantas publicações vocês têm visto sobre a seca no nordeste ou as chuvas na Amazônia?  E já que quando se trata da proteção aos animais tem tantas postagens genéricas - além, claro, das postagens específicas, aquelas do tipo "Totó precisa de sua ajuda hoje" - cadê as pessoas repercutindo a fome na África, pra ficar só no exemplo mais gritante e geral dos problemas com Direitos Humanos?

Agora, claro que a comoção com as tragédias humanas tem muito a ver com a importância que a imprensa dá a casos específicos...as enchentes e deslizamentos de terra em Santa Catarina (2008) foram particularmente bem divulgadas.  As enchentes nordestinas de 2009 geraram menos comoção, menos mobilização, não teve o Guga ou um monte de artistas globais nordestinos pedindo doações.

Já os casos de cachorrinhos torturados têm gerado um fuzuê gigante na mídia e na internet.  É claro que é horrível, que as pessoas que fazem isso são horríveis (ou problemáticas), mas coisas assim acontecem todos os dias, como acontecem todos os dias casos como o dos Nardoni - lembram?  Bem, a TV divulgou a história do cachorrinho torturado, daquele outro enterrado vivo, de um que foi arrastado por um carro...essas coisas já aconteciam antes, mas agora resolveram, sei lá porque, mostrar.  pode ser fase, como eu espero que seja a enxurrada de filmes espíritas bancados pela Globo.

Claro que não me queixo da defesa de nenhuma das duas coisas (bichos e gente).  Me importo com ambos e não milito ativamente por nenhuma das causas.  Acho legítimo - e inteligente - o uso da internet para a divulgação de qualquer coisa, mas acho a distorção interessante.  Não porque seja inesperada, afinal, as pessoas nunca deram muita bola pros Direitos Humanos mesmo; mas porque não se dava tanta bola pro direito dos animais.  Parece que a proteção dos direitos dos animais seja a bola da vez entre as coisas que as pessoas gostam de divulgar, ou talvez seja mesmo o surgimento de um novo tempo, em que homens e bichos caminharão nesse mundão de patas dadas...

Resumindo: acho a causa justa, acho justo o uso da internet para divulgar a causa e acho coerente que pessoas queiram lutar pelos animais.  Porque raios, então, estou escrevendo isso?  Porque ultimamente tenho visto muita afetação.

Quem ler os comentários que seguem a maioria das postagens relacionadas ao tema, vai encontrar uma assembleia maluca de posições muito esquisitas, inclusive de gente que encara a coisa como uma guerra entre humanos e outros animais - e torce pelos bichos.  Gente que acha que só os seus cachorros as entendem de verdade, gente que acha que os bichos são melhores porque não são cruéis...por mais que poucas coisas sejam tão cruéis quanto a natureza, argumentam que só o homem mata por crueldade, sem motivo algum.  Essa ideia além de falsa, é boba.  A "sacanagem" é efeito colateral da inteligência humana - ainda que os cucos sejam uns FDP´s, não?  Justificável ou não, a maioria dos assassinatos acontecem por algum motivo, normalmente a obtenção de alguma vantagem: dinheiro, poder, eliminação de rival, punição, obtenção de status, reação a uma briga, etc...e tem ainda os distúrbios mentais, tampouco exclusivos dos homens.

Só pra ilustrar, peguei a postagem mais recente na minha página...é essa aqui.  Foi compartilhada por uma amiga minha, mas originalmente publicada na página "Prefiro bicho que gente".  Eu não podia ter tido mais sorte nesse exemplo...hehehe!  Nos comentários aparecem os veganos, os super-protetores e uma galera pagando pau.

Até entendo que algumas pessoas gostem mais de bichos que de gente...tem muita gente chata e ruim por aí.  Mas tem muita gente legal também, e pra ver isso basta perceber que quase todo mundo (até gente de quem a gente não gosta) tem amigos e gosta de outras pessoas.

É normal que pessoas gostem muito de certas coisas...um astrônomo que goste tanto de passar seu tempo no telescópio que prefira, de verdade, passar tempo lá do que tendo contatos sociais.  Ou um cinéfilo que prefira ver filmes a viver sua própria história (oh, profundo!).  Mas não é esse o caso: essas pessoas gostam mais de bichos porque acham que os bichos são melhor gente...

Se todas as pessoas que você conhece valem menos a pena que os animais, talvez o problema não seja as outras pessoas.  Pessoalmente, não troco as minhas amizades humanas por cachorro nenhum - e eu adoro os meus cães - conversas com seres capazes de me entender são normalmente mais ricas, por mais que poucas coisas sejam tão gostosas quanto o afeto incondicional de um cachorro.  Ah, o amor do cão!








1) Acabo de perceber que ateia não tem mais acento...que coisa! 
2) Calma, é mentira.  Deixem as baleias em paz, japoneses malditos³!
3) Calma, eu sou nipo-descendente, estou autorizado a fazer a piada.


P.S.  Me ocorreu agora uma discussão que tive com alguém a respeito da caça às baleias (ou foi um filme que vi?  Eram baleias mesmo ou eram golfinhos?).  Os japoneses tem dificuldade em entender porque as pessoas se importam tanto com golfinhos e baleias.  Pra eles, uma baleia é "só mais um peixe".  É compreensível num país em que comer esses bichos é uma tradição milenar.  Matar uma vaca é tão cruel quanto, mas apenas uma minoria entre os neoprotetores se importam com isso.  Não parece ser relacionado com o risco de extinção - os pirarucus não parecem gozar do mesmo carisma e prestígio.  Tenho a impressão de que mesmo que baleias fossem muito abundantes, a matança delas continuaria incomodando muita gente.  A mim incomoda, provavelmente por razões culturais.

Wilbor se Revolta continua tendo o selo de Blog Amigo dos Golfinhos, assumindo todas as condições que este selo implica.


1. Este blog não prejudica, de maneira nenhuma os golfinhos, esses magníficos peixes alados.
2. Este blog não utiliza redes para pesca de atum.*
3. Os criadores desse blog não possuem roupas, ou acessórios pessoais feitos de partes de golfinhos.
4. Os criadores desse blog não tomam chá de genitálias de golfinhos para melhorar seu desempenho sexual - muito embora os benefícios trazidos chá de genitália dessas criaturas mágicas e boazinhas estejam relatados nos mais diversos estudos científicos.**
5. Sopa de golfinho tem um gosto horrível. Bem, é o que dizem.

*Não, nós não pescamos atum. Nem nas férias. Não, aqueles bichos que o Gabriel pesca são peixes-bois.
**Segundo a medicina chinesa. Já viu algum chinês equivocado? E chinês brocha, já viu? E golfinho brocha???


2 comentários:

Marcílio - o gêmeo malvado disse...

Acabo de perceber que pela primeira vez passamos um mês em branco...2012 tá foda.

Gabriel G; disse...

2012 tá de lascar mesmo, Marcelo. Sem previsão de melhoria ainda...