quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Manifesto da Turfa Tropical


Você sabia que os solos orgânicos ocupam cerca de 3.500km² no mundo todo?

Isso significa 0,002% da superfície das terras emersas do planeta, ou 0,0006% da superfície terrestre.  A maior parte dessa categoria de solos, a qual pertencem as turfas, estão localizadas nas regiões boreais, árticas e sub-árticas da Terra.

Você sabia que não há nenhum brasileiro na diretoria da IPS - International Peat Society (Sociedade Internacional da Turfa)?  Países com economias menores, populações menores e importância reduzida na comunidade internacional estão representados na cúpula da turfa mundial, como podemos ver no site da IPS:






O Brasil é um dos 173 países do mundo que nem mesmo possuem um comitê nacional da IPS .  Esse dado, acreditamos, é suficiente para demonstrar que a atual gestão, conduzida pelo sr. Donal Clarke, não foi capaz de unir o mundo em torno da importante questão da utilização responsável das turfas.  Clarke lidera uma instituição exclusivista, nórdica, machista e racista.  Observem que não há mulheres ocupando altos cargos na cúpula da IPS.  Tampouco há negros, orientais ou indígenas.  Por sorte, o reinado de tirania de Clarke se encerra este ano.

Nosso país, como sexta economia do mundo, não pode deixar de participar diretamente nas decisões que definem os rumos do uso sustentável das turfas no mundo.

Por essas razões, apoiamos e lançamos, através do "Manifesto da Turfa Tropical", a candidatura do sr. Otávio Cardona para a presidência da IPS, para o período de 2012-2014.

Queremos uma IPS  aberta, multicultural e multirracial, capaz de incluir os povos de todo o mundo nos debates turfísticos que afligem a todos nós.  Uma IPS que consiga vencer as barreiras da desterritorialização, unindo forças com povos de todas as partes.

Como primeira medida, propomos aumentar a participação brasileira nas turfas mundiais.  Em seguida, é fundamental que seja retomada a discussão acerca da validade da classificação de Von Post.  Sem essas ações, a participação de países fora do eixo turfeiro nas decisões mais importantes se torna inviável.

No discurso de lançamento de sua candidatura, Cardona afirmou que a tendência à refragmentação do mundo pós-moderno conduz à superação dos limites deterministas e incorpora o paradigma dialógico da redefinição do jogo de forças que configura o território como reflexo e condição das novas formas de acumulação.



Otávio Cardona. Chegou a vez da turfa tropical.

5 comentários:

Anônimo disse...

Eu acho que vcs estão com a razão dou meu apoio incondicional a esta campanha... Salve a Turfa tropical... Todos nós temos direito a um pouco de turfa... Eu quero a minha turfa... Vcs não querem a de vcs???

Grace B Alves disse...

Wilbor como sempre encabeçando grandes campanhas!! Contem comigo em mais essa!!!

Marcílio - o gêmeo malvado disse...

A gente procura apoiar aquilo que é justo, sempre.

Gabriel G; disse...

... Marcelo, agora percebi... você usou o "gerador de discurso pós-moderno" no último parágrafo desse texto? Hehehehehe

Marcílio - o gêmeo malvado disse...

Algo parecido.